Notícias

Trabalhadores da Usina Iracema entram em Estado de Greve

Reunidos em assembleias realizadas nesta quarta (11) e quinta (12), os empregados da Usina Iracema (Grupo São Martinho), de Iracemápolis-SP, decidiram entrar em Estado de Greve, por conta da intransigência da empresa na negociação salarial. Eles rejeitaram nova proposta da Usina, que se recusa a repor nos salários a inflação acumulada do período.

Contra uma inflação acumulada de 7,59%, a Usina Iracema passou a oferecer reajuste de 5%, retroativo à data-base (maio), mais 2,47% até outubro, sem pagamento retroativo à data-base. “A única diferença da proposta anterior, que já havia sido rejeitada pelos trabalhadores, foi a possibilidade de adiantar o pagamento dos 2,47% (previsto para outubro), mas sem compromisso de data, e ainda sem o pagamento do retroativo. Para os trabalhadores, foi um verdadeiro tapa na cara”, explicou o presidente do Stial (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Limeira e Região), Artur Bueno Júnior.

As assembleias que definiram o Estado de Greve aconteceram dias após a distribuição de Boletim Informativo do Sindicato, divulgando o aumento dos lucros do Grupo São Martinho na safra 2020/2021. O grupo faturou 45,1% a mais no período, acumulando lucro líquido de R$ 927 milhões.

“Negar a reposição da inflação neste contexto é realmente um desrespeito, especialmente para uma categoria que não parou um segundo sequer na pandemia. Trabalhadores que são os grandes responsáveis pelos lucros divulgados”, completou o dirigente sindical.

Após a decretação do Estado de Greve, o Sindicato vai solicitar a reabertura das negociação, e caso a empresa não apresente uma proposta que atenda às necessidades dos trabalhadores, uma paralisação não está descartada. “O clima está pesado, e a categoria bastante unida em torno do Sindicato. A empresa precisa rever sua postura, rapidamente”, concluiu Artur Bueno Júnior. 85% dos trabalhadores presentes às assembleias aprovam a adesão ao Estado de Greve.